Trump barra entrada de brasileiros nos EUA por conta da pamdemia

As restrições, ainda em vigor, não impediram que os EUA se tornassem rapidamente o líder em número de casos de Covid-19 no mundo.

Os estrangeiros foram mantidos fora, mas o vírus já estava, como agora, circulando ativamente no território americano.

A atuação de Trump na gestão da pandemia desde o início foi duramente criticada — por minimizar a doença, pela falta de testes, pela defesa da cloroquina sem comprovação científica, pelo confronto com governadores, pela pressa de reabrir a economia, por incentivar claramente os protestos anti-lockdown ou até mesmo por não usar máscara.

O mesmo vale para Bolsonaro.

A esta altura, os EUA têm 1,6 milhão de casos registrados oficialmente — 300 para cada milhão de habitantes — e chega aos 100 mil mortos.

O Brasil contabiliza 360 mil (106 por milhão), mas a escalada acelerada e as subnotificações fazem com que a OMS anteveja, mais cedo ou mais tarde, nosso país como o epicentro da doença.

A menos de seis meses das eleições, Trump argumenta que sua decisão visa a proteger os americanos: “Não quero que as pessoas venham aqui e infectem o nosso povo”, explicou esta semana.

Em outras ocasiões, deixou claro a preocupação com o avanço da pandemia no Brasil:

“Eu odeio dizer, mas o Brasil está muito alto, o gráfico está muito, muito alto.
Lá em cima, quase vertical.

O presidente do Brasil é realmente um bom amigo meu, um ótimo homem, mas eles estão vivendo um momento muito difícil.”

O presidente americano prefere ser coerente com a política que vem pautando sua presidência — a de barrar a entrada de estrangeiros.

A dramática situação do Brasil e críticas à condução do presidente Jair Bolsonaro em meio à pandemia reverberam com destaque no noticiário americano. Por isso, a decisão de Trump não surpreende.

Na prática, a maioria das companhias já havia suspendido em março os voos entre os dois países. Restaram apenas nove por semana, a maioria para repatriar brasileiros.

EUA de Trump ajudarão o Brasil de Bolsonaro com mil respiradores, mas deixam de fora os brasileiros ou os estrangeiros que passaram pelo país.

O presidente americano deixa claro que não poupará qualquer aliado que possa enfraquecer seu caminho para a reeleição.

As restrições anunciadas neste domingo pela Casa Branca atingem sobretudo todos passageiros estrangeiros que passaram 14 dias no Brasil e que não poderão ingressar nos EUA a partir da próxima sexta-feira.

Mas não serão aplicadas, por exemplo, aos cidadãos americanos ou aos que tenham residência permanente no país.

Os EUA de Trump ajudarão o Brasil de Bolsonaro com mil respiradores, mas deixam de fora os brasileiros ou os estrangeiros que passaram pelo país.

O presidente americano deixa claro que não poupará qualquer aliado que possa enfraquecer seu caminho para a reeleição.

por G1

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.