MP ajuíza ação contra ex-presidente da Câmara de Santana dos Garrotes por improbidade

O Ministério Público da Paraíba ajuizou uma ação civil pública por ato de improbidade administrativa contra a ex-presidente da Câmara de Vereadores de Santana dos Garrotes, Maria do Socorro Alves Feitoza Almeida. Os ex-servidores Francisca Pinto Sidrin e Lucas Franklin Bezerra da Cunha, respectivamente mãe e filho do vereador e vice-presidente da câmara Lucrécio Bezerra, também foram denunciados.

O G1 tentou entrar em contato com a Câmara de Vereadores de Santana dos Garrotes, por telefone e e-mail, mas até a publicação desta matéria não obteve retorno.

A ação foi ajuizada pelo promotor do Patrimônio Público de Piancó, José Leonardo Clementino Pinto, e tramita na 1ª Vara Mista de Piancó. Segundo o promotor de Justiça, a investigação teve início a partir de denúncia apresentada na Ouvidoria do MPPB.

Com a apuração dos fatos, o MPPB constatou que Francisca Pinto Sidrin foi nomeada por Maria do Socorro Alves Feitoza Almeida para o cargo de chefe de gabinete, permanecendo no cargo nos meses de outubro, novembro e dezembro de 2017.

Maria do Socorro Alves Feitoza, que presidiu a Câmara de Vereadores em 2017 e 2018, encaminhou documentação comprovando a exoneração de Francisca Pinto Sidrin, em 2 de janeiro de 2018. Na oportunidade, encaminhou portaria de nomeação de Francisca Quitino Barbosa para ocupar o cargo de chefe de gabinete da Casa Legislativa, também em 2 de janeiro de 2018.

Entretanto, em consulta ao sistema Sagres do Tribunal de Contas do Estado (TCE), o MP verificou que Lucas Franklin Bezerra da Cunha, filho do vereador Lucrécio Bezerra, mesmo sendo parente em 1º grau em linha reta, ocupava o cargo de chefe de gabinete da Câmara de Vereadores de Santana dos Garrotes.

Ainda conforme o promotor de Justiça, a atual presidência da Câmara Municipal de Vereadores de Santana dos Garrotes informou ao MPPB que a exoneração de Lucas Franklin Bezerra da Cunha do cargo ocorreu em 2 de maio de 2018, quando Maria do Socorro Alves Feitoza ocupava a Presidência da Câmara de Vereadores e o vereador Lucrécio Bezerra ocupava a vice-presidência da casa legislativa.

Segundo o promotor, os três praticaram ato de improbidade administrativa, previsto no artigo 11 da Lei nº 8.429/92.

A ação pede a condenação às sanções do artigo 12 da mesma lei – perda da função pública, suspensão dos direitos políticos de três a cinco anos, pagamento de multa civil de até cem vezes o valor da remuneração percebida pelos réus e proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, pelo prazo de três anos.

por Redação do Vale do Piancó Notícias com G1

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.