Funcionário público é preso com acervo de pornografia infantil no celular, na Paraíba

A Polícia Civil prendeu em Mamanguape um funcionário público da Prefeitura de Rio Tinto, no Litoral Norte da Paraíba, na noite de segunda-feira (6), com um vasto acervo pornográfico com crianças a adolescentes. Segundo a polícia, o preso, de 37 anos, que é suspeito de integrar rede de pedofilia, armazenava o material ilegal no próprio celular. Ele já respondia criminalmente pelo crime de estupro de vulnerável.

A prisão aconteceu após denúncia feita na Delegacia de Atendimento à Mulher da cidade Mamanguape (PB). Segundo informações da delegada Cristiane Medeiros, o homem foi denunciado por ter acariciado as partes íntimas de uma criança, que seria filha de uma ex-namorada dele.

Ainda de acordo com a polícia, o smartphone com o acervo de pornografia infantil foi apreendido e será submetido a perícias. O homem foi autuado com base no Artigo 241-B do Estatuto da Criança e do Adolescente. A legislação prevê pena de 1 a 4 anos de prisão para quem armazena conteúdo pornográfico envolvendo criança ou adolescente.

A delegada Cristiane Medeiros contou que o homem é suspeito de integrar uma rede de pedofilia e chegou até a ser alvo de investigações por parte da Polícia Federal. “Ele já responde a crime de mesma natureza na comarca de Rio Tinto/PB, razão pela qual teve sua fiança negada, por conta dos evidentes requisitos para a prisão preventiva que foi representada ao Poder Judiciário”, afirmou a delegada.

por Redação do Vale do Piancó Notícias com G1

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.