Nota de R$ 200: Real ganhará nova cédula após 18 anos

Nova nota de R$ 200 visa diminuir transações com dinheiro vivo, economizando na impressão de papel moeda; relembre lançamentos de notas de Real ao longo dos anos.

Nesta quarta-feira (29), o Banco Central anunciou a criação da nota de R$ 200. O lançamento faz parte de uma história de raras mudanças no Real desde o início de circulação da moeda. A nova nota, de R$ 200, é um novo valor pela primeira vez desde 2002.

Naquele ano, foi lançada a nota de R$ 20 e um ano antes, em 2001 , nascia a nota de R$ 2. Em 2005 a nota de R$ 1 parou de ser impressa. Lançamentos de cédulas visam diminuir as transações feitas com dinheiro vivo, economizando com impressão de papel moeda.

No lançamento das notas de R$ 2 e R$ 20, o Banco Central fez um estudo que indicava redução de mais de 30% no uso de cédulas com os novos valores – sem a nota de R$ 20, eram necessárias quatro notas de R$ 10 para formar R$ 40.

Em 2010 , uma grande mudança nas cédulas de Real foi anunciada. Passou a circular a “segunda família do real”, cédulas com elementos de segurança mais modernos e fáceis de verificar, como marcas táteis e cada valor tendo um tamanho diferente para facilitar a identificação. Guido Mantega, o ministro da Fazenda à época, disse que os novos modelos de notas também ajudariam na “internacionalização” da moeda brasileira.

As primeiras a serem substituídas foram as cédulas de R$ 50 e R$ 100 foram, e novas notas começaram a circular no fim de 2010. Em 2012, começaram a circular as novas notas de R$ 10 e R$ 20. No meio de 2013, foram colocadas em circulação as notas de R$ 2 e R$ 5.

Motivos para a criação da nota de R$ 200

A novidade da nota de R$ 200 aparece em contexto de que, neste mês, o governo teve um gasto extra de R$ 437 milhões para impressão de cédulas, com o objetivo de imprimir R$ 100 bilhões adicionais em dinheiro de papel.

Para a área econômica do governo, a crise do novo coronavírus (Sars-Cov-2) foi um dos motivos para o aumento da procura. A pandemia levou a população a manter reserva em dinheiro vivo em casa. Outro motivo apontado é a necessidade de fazer frente ao pagamento do auxílio emergencial – estimado em mais de R$ 160 bilhões considerando as cinco parcelas aprovadas.

Beneficiários de menor renda preferiram sacar o benefício em espécie. Mais de 20 milhões de saques foram feitos até essa quarta-feira (29), segundo a Caixa.

por Brasil Econômico

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.