CRM decide interditar Trauminha de Mangabeira após fiscalizações identificarem baratas, consumo de drogas, falta de remédios e sexo na enfermaria

O Conselho de Medicina da Paraíba decidiu interditar os profissionais médicos trabalhando no Hospital de Trauma de Mangabeira, o Trauminha, devido a irregularidades não solucionadas após dez fiscalizações do órgão.

Em transmissão ao vivo realizada nesta sexta-feira (28), o presidente do CRM-PB, Roberto Magliano de Morais, apresentou as razões da decisão de interdição. Assista abaixo.

Confira abaixo a lista das principais inconformidades identificadas no hospital pela inspeção da CRM-PB:

Escala médica incompleta, especificamente nos sábados e domingos, tendo apenas um médico para atender sozinho as salas vermelha e verde, além da urgência
.Falta de medicamentos (Antibióticos, Anti-inflamatórios, Anticoagulantes)
.Falta de material cirúrgico (Telas, órteses, próteses, gazes, luvas, drenos, campo cirúrgicos, .roupas, fios cirúrgicos)

  • Escala médica incompleta, especificamente nos sábados e domingos, tendo apenas um médico para atender sozinho as salas vermelha e verde, além da urgência
  • Falta de medicamentos (Antibióticos, Anti-inflamatórios, Anticoagulantes)
  • Falta de material cirúrgico (Telas, órteses, próteses, gazes, luvas, drenos, campo cirúrgicos, roupas, fios cirúrgicos)
  • Quantidade insuficiente de equipamentos para atender a demanda (capnógrafos, monitores e respiradores)
  • Ambiente inseguro (relatos de agressão e de consumo de substâncias ilícitas no interior da unidade)
  • Consultório médico sem maca para examinar paciente
  • Pacientes com cirurgia infectada na mesma enfermaria de pacientes com cirurgia limpa
  • Mais de sete dias para a realização de cirurgias
  • Leitos sem lençóis
  • Falta de higiene nos quartos e banheiros, com mofo e presença de insetos
  • Estrutura física das enfermarias em péssimas condições, com banheiros necessitando de reparos
  • Iluminação insuficiente nas enfermarias para a realização de procedimentos técnicos
  • Falta de privacidade (Apesar das enfermarias estarem separadas por sexo, os acompanhantes são, na grande maioria, do sexo oposto)
  • Cadeiras de rodas para transporte dos pacientes com defeitos
  • Enfermarias sem ventilação, sendo utilizado grande números de ventiladores levados pelos acompanhantes
  • Leitos com defeitos (camas sem elevação de cabeceiras)

“Em quatro anos fizemos 10 fiscalizações. As irregularidades não foram sanadas, ele continua em péssimas condições, diria até que piorou muito, e a razão para interditar é justamente essa. Essas irregularidades tem um potencial de risco alto para os médicos e para quem procura o serviço.”

“A grande maioria dos médicos trabalham com contratos precários, sem nenhum vínculo de concursados”, explicou.

Também foi listada a insuficiência de médicos para atender os pacientes, e a falta de remédios, gaze, esparadrapo, antibióticos, analgésicos e outros insumos. Muitos pacientes estariam levando insumos próprios para ser atendidos no hospital.

As fiscalizações identificaram relatos de agressões, uso de drogas e sexo ocorrido na unidade, sem controle de fluxo de quem entra e sai.

por Redação do ClickPB

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.