Senador propõe prisão de até oito anos para quem não tomar vacina contra Covid-19

O senador Ângelo Coronel (PSD-BA) apresentou um projeto de lei que prevê prisão de até oito anos para quem não tomar vacinas em casos de emergência de saúde pública, como a pandemia de Covid-19. O texto prevê ainda a punição para pais que não vacinarem seus filhos e também para quem divulgar notícias falsas sobre as vacinas do programa nacional de imunização.

Pelo PL, a punição acontecerá apenas quando não houver justa causa para a não-vacinação.

“É urgente que se tome medidas para contenção desse mal que pode prejudicar a vacinação e atrasar ainda mais a saída do país da crise sanitária provocada pela pandemia”, diz a justificativa do texto.

“O PL aqui apresentado vem no contexto da pandemia da Covid19, mas também é uma resposta necessária à sequência de quedas nas taxas de imunização das campanhas do Ministério da Saúde”, diz.

Veja a íntegra do projeto

PROJETO DE LEI No , DE 2020

Altera o Código Penal para tipificar as condutas de
não submissão a vacinação obrigatória,
disseminação de notícias falsas sobre a eficácia da
vacina e de desestimulo à adesão a programa de
vacinação.

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Art. 1o O Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940 –
Código Penal, passa a viger acrescido dos seguintes arts. 244-A e 259-A:

“Art. 285-A. Omitir-se ou contrapor-se, sem justa
causa, na condição de pais ou responsáveis legais, à
vacinação obrigatória de criança ou adolescente, em
situação de emergência de saúde pública:

Pena – reclusão, de um a três anos.

Art. 285-B. Deixar de se submeter, sem justa causa,
a vacinação obrigatória em situação de emergência de
saúde pública:

Pena – reclusão, de dois a oito anos, e multa.
§ 1o – Na mesma pena incorre quem cria, divulga ou
propaga, por qualquer meio, notícias falsas sobre as
vacinas do programa nacional de imunização ou sobre sua eficácia, ou quem, de qualquer modo, desestimula a
vacinação.
§ 2o – Se agente público, para o previsto no § 1o,
poderão ser aplicadas penas em dobro, além das punições
previstas por atos de improbidade administrativa.”
Art. 2o Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

JUSTIFICAÇÃO

A saúde pública é dos bens mais caros e relevantes de uma
nação. Por esse motivo, em situação de emergência de saúde pública, a
conduta de deixar de se submeter à vacinação obrigatória deve ser
considerada crime. Diante desta constatação faz-se urgente modificar o
Código Penal para responsabilizar aqueles que deliberadamente deixarem de
atender às campanhas de imunização previstas no calendário do Poder
Público.

Da mesma forma, a propagação de notícias falsas sobre as
vacinas do programa nacional de imunizações, que desestimulam a
vacinação, deve ser exemplarmente punida, como crime contra a
incolumidade pública.

Segundo dados do Ministério da Saúde, a vacinação de crianças
com menos de 2 anos está apresentando queda desde 2011. No caso da vacina
BCG, contra tuberculose, a cobertura, que já foi de 107,94%, caiu para
95,63% em 2018. A cobertura da tríplice viral, que protege contra sarampo,
caxumba e rubéola, também despencou – de 102,39% para 90,5%.

De acordo com o Ministério da Saúde, a resistência à vacinação
é uma preocupação para toda a sociedade, pois a difusão de informações
equivocadas pode contribuir para a decisão de não vacinar. É importante
destacar que o principal perigo em ter baixas coberturas vacinais é o risco de reintrodução de doenças já eliminadas no País. O fato de algumas doenças
terem sido eliminadas ou terem baixa ocorrência no País, como a
poliomielite, por exemplo, causou uma falsa sensação de que não há mais
necessidade de se vacinar, porque a população mais jovem não conhece o
risco.

Além dos dados acima, a necessidade de vacinação contra a
Covid-19 torna o assunto ainda mais urgente. A Agência Nacional de
Vigilância Sanitária aprovará vacinas para a imunização. O aval da Anvisa
precisa ser encarado como uma medida de segurança e como um parecer
confiável quanto aos imunizantes. Diante disso, o país precisa trabalhar para
atacar a desinformação que grassa sobre o tema vacinação. É urgente que se
tome medidas para contenção desse mal que pode prejudicar a vacinação e
atrasar ainda mais a saída do país da crise sanitária provocada pela pandemia.

O PL aqui apresentado vem no contexto da pandemia da Covid-
19, mas também é uma resposta necessária à sequência de quedas nas taxas

de imunização das campanhas do Ministério da Saúde. A saúde é um bem
coletivo e quando um grupo de pessoas deixa de se vacinar, toda a
comunidade pode ser afetada e o sistema de saúde sobrecarregado, drenando
recursos que poderiam ser utilizados em ações que não são cobertas por
vacinas.

Além disso, o STF julga se é válido o dispositivo da Lei 13.979
que obriga a vacinação contra a Covid-19. O PL aqui apresentado é mais
amplo não tratando apenas da Pandemia pela qual passamos, mas de todas
as campanhas de vacinação que já se provaram eficazes pelo bem da saúde
pública.

Cabe ressaltar, no entanto, que as penas previstas no presente
projeto serão aplicadas apenas nos casos de omissão em campanhas
obrigatórias de vacinação. Portanto, se o Governo não determinar a
obrigatoriedade, por óbvio, os cidadãos ficarão livres.

É, portanto, diante desse quadro que pedimos aos ilustres

parlamentares que votem pela aprovação deste projeto.

Senador ANGELO CORONEL
(PSD – Bahia)

LEGISLAÇÃO CITADA

Decreto-Lei n¿¿ 2.848, de 7 de Dezembro de 1940 – C¿¿digo Penal – 2848/40
https://www.lexml.gov.br/urn/urn:lex:br:federal:decreto.lei:1940;2848

por Congresso em Foco

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.