Governo aprova criação de plano para combustíveis sustentáveis

O governo aprovou a criação de um programa para propor medidas de ampliação do uso de combustíveis sustentáveis e de baixa intensidade de carbono no país. O chamado “Programa Combustível do Futuro” foi aprovado pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) em reunião na terça-feira (20).

De acordo com o Ministério de Minas e Energia (MME), o programa traz diretrizes que incluem a coordenação interinstitucional e a integração de políticas públicas relacionadas ao setor automotivo, incluindo programas como o Renovabio, o Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel e o Rota 2030.

A intenção é incentivar empresas do setor de óleo e gás a investirem em pesquisa e desenvolvimento relacionados ao programa.

– O programa proporcionará o aumento na utilização de combustíveis sustentáveis e de baixa intensidade de carbono, incentivando o desenvolvimento de tecnologia veicular nacional, tornando a nossa matriz de transporte mais limpa e sustentável – diz a nota divulgada pela pasta.

O governo também destacou a criação de medidas para introduzir o bioquerosene de aviação na matriz de transporte. Os estudos devem também incluir o setor marítimo.

– O Programa proporá medidas para o desenvolvimento de todo o arcabouço legal e regulatório, hoje inexistente, para a tecnologia de captura e armazenagem de gás carbônico.

Em conjunto, o CNPE aprovou a criação do Comitê Técnico do Combustível do Futuro, que será coordenado pelo MME. O colegiado deverá propor metodologias de avaliação do ciclo de vida completo dos combustíveis e ações para fornecer ao cidadão informações para a escolha do veículo em relação aos aspectos de eficiência energética e ambiental.

HIDROGÊNIO

O governo também determinou a elaboração de diretrizes para o Programa Nacional do Hidrogênio em até 60 dias. Pela decisão do CNPE nesta terça-feira, o trabalho será feito em parceria com os ministérios de Ciência, Tecnologia e Inovação e do Desenvolvimento Regional. A Empresa de Pesquisa Energética (EPE) também deve apoiar a elaboração das medidas.

De acordo com o Ministério de Minas e Energia, as diretrizes devem prever normas de segurança, desenhos regulatórios e estrutura que permitam competitividade para o uso do hidrogênio em grande escala.

A pasta afirmou ainda que é necessário desenvolver a infraestrutura de produção, armazenamento, transporte e distribuição do hidrogênio, pelo lado da oferta, bem como para a inserção do energético na matriz de consumo em setores como transporte, siderurgia e de fertilizantes.

– No aspecto tecnológico, há inúmeros desafios a serem superados, embora sua produção e utilização já seja realidade em alguns nichos. O armazenamento do hidrogênio é um deles, pois exige elevadas pressões para armazenamento no estado gasoso, ou criogenia para armazenamento no estado líquido – diz a nota.

por Estadão

foto: Reprodução

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.