Garcia: Jornalistas têm que perguntar o que autoridades não querem responder

No quadro Liberdade de Opinião desta terça-feira (22), Alexandre Garcia falou sobre as críticas à imprensa feita pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) durante participação de uma formatura militar, em Guaratinguetá, no interior de São Paulo. Bolsonaro demonstrou irritação com uma jornalista, lamentou o número de mortes e voltou a defender o tratamento precoce.

“Nós jornalistas temos que fazer as perguntas inconvenientes às autoridades. Temos que perguntar aquilo que elas não querem responder; aquilo que não deixa a autoridade satisfeita em responder; fazer a pergunta que ela não gostaria de ouvir”, disse Garcia.

“Tudo isso aconteceu no Dia da Mídia. Bolsonaro foi lá fora [falar com a imprensa], mas não gostou quando perguntaram das mortes. Depois perguntaram do capacete e veio a pergunta da máscara, aí ele explodiu. É lição do cabeça fria é o melhor conselheiro.”

“Deu dois ‘cala a boca’, isso eu acho o mais grave. ‘Cala a boca’ para o seu próprio pessoal que estava conversando e para a jornalista. Isso é muito pesado. Acho que nunca mandei alguém calar a boca porque é muito forte. (…) Foi um episódio que precisa deixar lições. Acho que as duas partes humildemente devem olhar para dentro e pensar no que aconteceu”, concluiu o jornalista.

O Liberdade de Opinião tem a participação de Sidney Rezende e Alexandre Garcia. O quadro vai ao ar diariamente na CNN.

por CNN Brasil

foto: Reprodução

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.