Guaidó diz que homens armados invadiram prédio onde ele mora; oposição na Venezuela acusa regime de Maduro pela ação

Integrantes da oposição ao regime chavista na Venezuela disseram nesta segunda-feira (12) que funcionários fiéis ao presidente Nicolás Maduro invadiram o prédio em Caracas onde vive Juan Guaidó, político oposicionista que se proclamou presidente venezuelano em 2019 durante o impasse político no país.

De acordo com a mulher de Guaidó, Fabiana Rolsales, foram vistos na garagem do prédio “homens encapuzados com armas largas rodeando a camionete” onde está o líder oposicionista.

Momentos depois, o próprio Guaidó deu entrevista coletiva condenando a ação, que para ele, foi uma “perseguição” e um “sequestro”. Segundo o oposicionista, o motorista da caminhonete foi amarrado e golpeado.

Foto publicada no Twitter por aliados de Juan Guaidó mostra o que seria a invasão da garagem do prédio onde mora o líder de oposição venezuelano nesta segunda (12) — Foto: Centro de Comunicación Nacional/Reprodução
Foto publicada no Twitter por aliados de Juan Guaidó mostra o que seria a invasão da garagem do prédio onde mora o líder de oposição venezuelano nesta segunda (12) — Foto: Centro de Comunicación Nacional/Reprodução

O Centro de Comunicação Nacional, que responde pelas informações oficiais dessa presidência de Guaidó, publicou nas redes sociais imagens do que parece ser um homem amarrado no chão de uma garagem. Entretanto, não é possível saber quem seria essa pessoa.

Nenhum representante do governo Maduro se pronunciou oficialmente sobre a ação.

Prisão de opositor

Pouco antes da suposta invasão ao prédio de Guaidó, outro líder oposicionista, Freddy Guevara, foi preso e levado ao “Helicoide” — um edifício de Caracas transformado em prisão para detratores do governo Maduro.

Guevara havia publicado nas redes sociais uma foto dele em seu carro enquanto forças de segurança tentavam prendê-lo em uma rodovia da capital venezuelana.

Negociações emperradas

Montagem mostra Nicolás Maduro e Juan Guaidó, da Venezuela — Foto: Marcelo Garcia/Divulgação e Leonardo Fernandez Viloria/Reuters
Montagem mostra Nicolás Maduro e Juan Guaidó, da Venezuela — Foto: Marcelo Garcia/Divulgação e Leonardo Fernandez Viloria/Reuters

Juan Guaidó , o líder da oposição na Venezuela, propôs em maio retomar as negociações com o governo de Nicolás Maduro para pedir um cronograma de eleições, incluindo presidenciais, em troca do “levantamento progressivo” de sanções internacionais.

“A Venezuela precisa de um acordo de salvação nacional, um acordo que deve ser alcançado entre as forças democráticas, os atores que constituem e apoiam o regime e a comunidade internacional”, disse Guaidó em vídeo transmitido em suas redes sociais à época.

No entanto, o regime Maduro se opôs: “O ‘bobolongo’ (bobo) disse hoje que quer conversar”, reagiu Maduro. “Ele foi deixado de fora, todo isolado e derrotado”, disse o líder da Venezuela.

“Se ele quer se juntar aos diálogos que já estão em andamento, evoluindo em todas as questões, seja bem-vindo. Que se incorpore aos diálogos que já existem, mas que não se crie o patrão, o líder supremo de um país que não o reconhece”, afirmou.

por G1

foto:Leonardo Fernandez Viloria/Reuters

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.