Caminhoneiros dizem que paralisação ganhará ouras estratégias após constantes proibições da Justiça na Paraíba

A proibição da paralisação dos caminhoneiros, na manhã desta segunda-feira (1), pela Justiça Federal, não foi suficiente para a categoria desistir do movimento. Segundo o presidente do Sindicato dos Caminhoneiros na Paraíba, Marcos Antônio Rodrigues, o processo deverá se ampliar, e mesmo com a proibição, já está sendo estudada outras estratégias para reivindicar as bandeiras de luta contra a carestia constante no preço dos combustíveis e a falta de reajuste no preço dos fretes.

“Fomos notificados às 4 horas da manhã com o mandado do juiz proibindo a nossa greve. Ainda tentamos recorrer, mas o interdito proibitório permaneceu, já que o juiz manteve a decisão”, disse ao programa Arapuan Verdade, nesta segunda-feira (1).

O sindicalista negou que o movimento tinha a intenção de bloquear as principais rodovias da Paraíba. “Nossa greve era uma interdição parcial, com a liberação para cargas especiais como medicamentos, cargas vivas, ambulâncias, entre outras, como sempre fazemos. Até os caminhoneiros tinham a liberdade de parar ou não”, explicou.

Ainda segundo ele, a orientação do Comando de Greve Nacional é de que novas mobilizações deverão seguir com outras estratégias, “a orientação é de que possamos traçar outras formas para reivindicar. Vamos estudar outras formas que a lei permite, já que nosso direito de greve não existe mais”, disse.

por Emmanuela Leite/redação ClickPB

foto: reprodução

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.