Ômicron: o que novos dados mostram sobre eficácia das vacinas contra variante

Um estudo publicado nesta terça-feira (14/12) com base em dados da África do Sul traz novas pistas sobre o comportamento das vacinas diante da variante ômicron, considerada preocupante por ter um alto número de mutações em relação ao coronavírus original.

Os dados ainda são preliminares, mas apontam que pessoas que receberam duas doses da vacina Pfizer/BioNTech tinham 70% de chance de evitar hospitalizações por covid-19 – um índice menor em comparação com os 93% de proteção que a mesma vacina oferecia contra a variante delta.

A proteção contra infectar-se pelo coronavírus também diminuiu com as duas doses: de 80% (no caso da delta) para 33% (no caso da ômicron), aponta o estudo, conduzido pela Discovery Health, uma administradora de planos de saúde na África do Sul.

Esse é um dos primeiros estudos de fora de laboratório a avaliar o comportamento da ômicron no “mundo real”.

O estudo foi feito com base no resultado de mais de 211 mil testes de covid-19, sendo 78 mil desses casos atribuídos à ômicron, entre 15 de novembro e 7 de dezembro.

Outra vacina que está sendo aplicada nos sul-africanos, a da Janssen, também é alvo de um estudo no país, cujos resultados preliminares indicam que a vacina continua sendo capaz de proteger contra casos graves da covid-19 e contra mortes.

Outros estudos, também considerados preliminares, também traziam boas e más notícias a respeito do comportamento das vacinas diante da ômicron: a nova variante do coronavírus parece ter mais capacidade de escapar da imunização, mas há indicativos de que imunizantes ainda protegem em grande medida contra eventuais casos graves de covid-19.

Além disso, quem já teve a oportunidade de tomar a dose de reforço parece estar mais bem protegido contra o vírus, inclusive contra a nova variante.

No dia 8 de dezembro, as empresas Pfizer e BioNTech apresentaram dados próprios, ainda preliminares, indicando que a proteção da vacina de fato cai drasticamente diante da nova variante.

No entanto, disseram, a dose de reforço do imunizante aumentaria consideravelmente a defesa do sistema imunológico contra a ômicron.

“Plasma de indivíduos que receberam duas doses da vacina atual contra covid-19 teve, em média, uma redução de mais de 25 vezes na neutralização contra a ômicron em comparação (com as formas anteriores do vírus), indicando que duas doses (da Pfizer) podem não ser suficientes para proteger contra a infecção da ômicron”, afirmou comunicado das empresas — ressaltando, porém, que “indivíduos vacinados ainda parecem estar protegidos contra as formas mais graves da doença”.

A aparente boa notícia é que a dose de reforço da Pfizer faria recuperar essa proteção.

“Segundo dados preliminares, a terceira dose provê um nível parecido de anticorpos neutralizantes contra a ômicron do que as duas doses contra (as demais formas do vírus)”, além de manter a proteção contra formas mais graves da covid-19, ainda segundo as duas fabricantes.

Por que uma dose de reforço faz diferença?

James Gallagher, repórter de ciência e saúde da BBC, explica que a primeira dose de uma vacina contra a covid-19 pode ser comparada aos primeiros anos da educação básica – nessa analogia, é como se o sistema imunológico estivesse sendo ensinado sobre os fundamentos de como se proteger contra o vírus.

A segunda e terceira doses são comparáveis ​​a enviar seu sistema imunológico para o ensino médio e depois para a universidade para aprofundar drasticamente seu conhecimento. Não se trata apenas de repetir a escola primária indefinidamente.

“O sistema imunológico fica com um conhecimento e compreensão mais ricos do vírus”, disse à BBC o professor Jonathan Ball, virologista da Universidade de Nottingham, no Reino Unido.

Ele disse que, apesar de tudo que se falou sobre as habilidades da ômicron, um sistema imunológico altamente treinado é “um ambiente incrivelmente difícil e hostil” para o vírus e suas variantes.

Por enquanto, porém, diante da desigualdade vacinal ainda existente no mundo, a Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou nesta terça-feira (14) que a prioridade deve ser completar o esquema vacinal básico de grupos desprotegidos ao redor do mundo, antes de priorizar as doses de reforço.

Ao mesmo tempo, as empresas Pfizer e BioNTech dizem que estão desenvolvendo uma vacina específica contra a variante ômicron, a ser entregue em até cem dias, dependendo de aprovação de órgãos reguladores.

Estudo na África do Sul

Em 7 de dezembro, um pequeno estudo ainda em fase pré-print (ou seja, não revisado por outros cientistas) realizado na África do Sul — onde a ômicron foi identificada e tem avançado rapidamente — chegou a conclusões que apontam na mesma direção dos estudos citados acima.

A partir da análise dos anticorpos de 12 pessoas que receberam a vacina da Pfizer (sendo que metade delas havia sido também previamente infectada pelo coronavírus e a outra metade, não), os pesquisadores notaram que os anticorpos produzidos pelas pessoas eram muito menos eficientes em impedir a infecção contra a ômicron.

No entanto, a percepção do autor do estudo, Alex Sigal, virologista do Instituto de Pesquisa em Saúde na África em Durban, é de que “embora eu ache que vai haver muita infecção, não tenho certeza de que isso vai se traduzir em sistemas (de saúde) colapsando”, disse ele ao The New York Times. “Minha impressão é de que conseguiremos ter (a situação) sob controle.”

A boa notícia, aqui, é que o virologista temia inicialmente que, diante de um vírus tão mutado, as vacinas se provassem totalmente ineficazes — mas isso não aconteceu.

Sigal acrescentou que ainda será necessário estudar melhor os efeitos de doses de reforço das vacinas, mas sua suspeita é de que “quanto mais anticorpos você tiver, melhor você vai se sair” contra a nova variante.

Além disso, vale lembrar que as vacinas desencadeiam uma reação imune que vai muito além da produção de anticorpos — reação esta que não é mensurada pelos estudos listados aqui.

“As vacinas ainda têm alta probabilidade de proteger a maioria das pessoas contra formas graves da doença porque treinam muito mais o sistema imunológico do que para a produção de anticorpos neutralizantes”, explica o repórter da BBC especialista em ciência e saúde James Gallagher. “As células T, que agem diante de uma infecção, são melhores em lidar com variantes uma vez que atacam diferentes partes do vírus.”

“O que é importante enfatizarmos aqui é que a imunidade não se perde”, disse, no Twitter, a imunologista Letícia Sarturi, ao comentar os dados de que a ômicron parece escapar mais da imunização.

“Anticorpos neutralizantes funcionam, imunidade celular também vai funcionar porque células T de memória não são ‘enganadas’ tão facilmente por variantes. Elas se ativaram por pedacinhos muito pequenos da proteína spike, então, mesmo que ocorram mutações, células T podem responder porque nem todos os pedacinhos da proteína mutaram. Variantes são uma ameaça ao controle da pandemia, mas variantes não vão comprometer completamente o que ganhamos com a imunização.”

Doses de reforço

Há, ainda, um outro estudo ainda preliminar (e sem revisão de pares) e patrocinado por fabricantes de vacinas, que avaliou especificamente a eficácia de doses de reforço (no caso, as da Pfizer e da Janssen) em 65 indivíduos.

Embora não seja específico sobre a ômicron, o estudo sugere que a dose adicional da vacina “aumenta as respostas de anticorpos em pessoas que haviam sido vacinadas ao menos seis meses antes” com a vacina da Pfizer.

No entanto, os pesquisadores ressaltam que a duração desse aumento na imunidade ainda é desconhecida.

Ainda será necessário fazer mais estudos sobre como essas e as demais vacinas se comportam perante a ômicron — e, também, como a dose de reforço pode aumentar a proteção das pessoas.

Nesta terça (12), a OMS afirmou que as evidências iniciais indicam que existe um pequeno declínio na eficiência das vacinas existentes contra casos graves de covid-19, embora o declínio seja maior na prevenção contra a infecção em si e contra casos leves.

“Temos vacinas altamente eficientes, que se provaram eficazes contra todas as variantes até agora, em termos de (prevenção de) formas severas (da covid-19) e hospitalizações. Não há motivos para crer que será diferente” com a ômicron, afirmou no início de dezembro à agência France Presse Mike Ryan, diretor de emergências da OMS.

Governos e cientistas seguem em alerta para monitorar os efeitos da ômicron à medida que ela avança.

“Uma grande e repentina onda da ômicron ainda pode causar problemas, mesmo que cause apenas sintomas moderados para a maioria das pessoas”, explica o repórter James Gallagher. “Se os poucos que tiverem casos graves de covid-19 se infectarem com a ômicron ao mesmo tempo, isso pode voltar a colocar pressão sobre os sistemas de saúde.”

por BBC News Brasil

foto: Reuters

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.