Projeto de lei é questionado por possível proibição a cultos e pregações nas ruas

Um Projeto de Lei (PL) protocolado na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro em 2018 voltou a tramitar neste ano e está causando polêmica no Legislativo fluminense, principalmente entre a base evangélica da Casa, por envolver uma questão sensível: a liberdade de culto. De autoria do deputado Átila Nunes (MDB), a medida afirma que visa “proibir o assédio religioso em ambientes públicos e privados no estado do Rio de Janeiro”.

Entretanto, de acordo com críticos da proposta, o projeto não deixa claro quais práticas religiosas serão proibidas e em que espaços públicos a lei será aplicada. Com isso, parlamentares como a deputada estadual Rosane Felix (PSD) questionam se tal fato não poderia resultar em uma proibição de pregação nas ruas, violando a liberdade de culto prevista na Constituição.

Querem calar a nossa voz. Querem impedir a pregação nas ruas! Não vão conseguir! Enquanto eu estiver na política, lutarei em defesa da liberdade religiosa e da liberdade de se pregar o evangelho a toda a criatura – escreveu a parlamentar nas redes sociais.

Para tentar esclarecer os pontos previstos no projeto de lei, Rosane diz que chegou a apresentar emendas ao texto. Em seu perfil nas redes, a deputada disse que votará contra o projeto e ainda convocou os opositores da ideia a protestar contra a proposição, que deve ir à votação no plenário da Alerj na quarta-feira (15).

– Vamos nos mobilizar, pessoal! A sua presença na galeria da Alerj no dia da votação é importante. Envie mensagem aos deputados estaduais, pedindo o voto contrário ao PL 4.257/2018. Enquanto estivermos nessa terra, vamos fazer um trabalho de resistência ao que estão tentando nos impor! – completou.

Uma das críticas à medida foi motivada por uma postagem do próprio autor do projeto, Átila Nunes, nas redes sociais. No último dia 9, o parlamentar escreveu que “a escolha da crença é individual e não deve ser imposta por tentativas insistentes de conversão nos espaços públicos, privados, tampouco no portão da casa das pessoas”.

SOBRE O PROJETO

Protocolada em junho de 2018 pelo deputado Átila Nunes, a medida acabou sendo arquivada com o fim do mandato da legislatura anterior da Alerj, ao final de 2018. Com a eleição da nova legislatura, o projeto foi desarquivado em março de 2019 e passou a ser distribuído pelas comissões da Casa a partir de março deste ano.

No último dia 9 de dezembro, um texto substitutivo ao projeto original, apresentado por Átila, foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça da Alerj. Na nova redação, os deputados estabelecem que “entende-se como assédio religioso a prática, o induzimento ou a incitação à discriminação ou [ao] preconceito”.

O texto destaca ainda que “o assédio religioso deverá ser combatido nos espaços públicos e privados, inclusive no ambiente de trabalho”, mas que “não atinge a liberdade religiosa do indivíduo em ostentar símbolos e realizar práticas devocionais, sem incomodar o próximo”.

por Paulo Moura

foto: Reprodução

2 comentários sobre “Projeto de lei é questionado por possível proibição a cultos e pregações nas ruas

  1. Meus amigos e irmãos, procurem refugiar-em Deus por Jesus Cristo, Deus fez uma obra perfeita lá no calvário, a mais de dois mil anos! Ele disse que atraiu todos a si! João 12:32. Olhem pela fé, você eu sendo mortos em Cristo e ressuscitados em Cristo Romanos 6:3-7 e 10e11.

    Curtir

Deixe uma resposta para Evilásio Pedro Bratti Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.