Países têm queda acentuada de casos de Covid-19 semanas após pico da ômicron; especialistas analisam cenário para o Brasil

África do Sul e Reino Unido estão entre os países que enfrentaram a explosão de casos de ômicron e já registram uma queda consistente no número de infecções por Covid-19. Os dois países anunciaram ter superado o pico de casos oficialmente registrados e, nesta quarta-feira (19), o Reino Unido divulgou que vai suspender restrições.

(Veja abaixo , nesta reportagem, os gráficos da África do Sul, Reino Unido, Austrália, Canadá e França)

Na visão de autoridades e especialistas, a curva descente pode indicar que o auge das contaminações pode ter sido superada nestas e em outras nações três semanas depois do início do tsunami de ômicron.

O mesmo padrão vai se repetir no Brasil? Teremos uma queda acentuada em fevereiro?

Para o epidemiologista Pedro Hallal, da Universidade Federal de Pelotas, a curva de transmissão da doença deve começar a cair nas próximas semanas no Brasil.

“A onda da ômicron, até pelo fato de que ela sobe muito rápido, ela tem uma tendência a descer muito rápido – então os matemáticos sugerem isso”, explica.

“E se a gente não olhar para os modelos, mas olhar para a prática, também foi a mesma coisa. O caso da África do Sul talvez seja o mais marcante. Então com certeza, em março, a ômicron já vai estar muito mais baixa no Brasil. A dúvida é se é ainda no final de janeiro ou se vai ser em fevereiro que vai começar a baixar. Mas a tendência é que seja uma onda bem mais curta”, analisa Hallal em entrevista ao g1.

“A tendência é que essa onda da ômicron, por ser uma onda tão explosiva e com um número tão grande de casos, é que ela dure em torno de 5 ou 6 semanas. Então, aqui no Rio de Janeiro a gente espera que realmente já esteja muito próximo desse pico”, disse

Em entrevista ao “O Globo”, o infectologista Julio Croda, professor da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) e pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), disse que o padrão tem sido uma subida por cerca de cinco semanas no total de transmissões.

“Se considerarmos a semana entre Natal e Ano Novo como início da curva epidemiológica, teremos o pico no começo de fevereiro para depois começar a queda. Isso, claro, se a nossa curva epidêmica se comportar de forma semelhante”, disse Croda.

O médico e epidemiologista Airton Stein, da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), explica que a onda ômicron se caracteriza como um tsunami e isso leva a um aumento na resposta imunológica da população por causa das contaminações.

Apesar disso, ele ressalta que faltam dados sobre a pandemia no Brasil e não é possível replicar os dados desses países (África do Sul e Reino Unido) para a realidade brasileira.

“Como resultado desse contato com o vírus, alguns especialistas pensam que podemos ter uma pequena pausa da montanha russa Covid depois da ômicron. O que pode ocorrer depois dessa pausa ninguém sabe”, diz Airton Stein.

A professora da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) Ethel Maciel, que tem pós-doutorado em epidemiologia pela Universidade Johns Hopkins, lembra que algumas incertezas no Brasil atrapalham as projeções.

“Estamos no verão, as pessoas tendem a se aglomerar mais, não sabemos o que vai acontecer no Carnaval e ainda temos os problemas com as subnotificações [o registro de casos de Covid segue sendo afetado pelo apagão de dados do Ministério da Saúde, que ocorreu em dezembro]. É impossível prever o que acontecerá no Brasil”, aponta.

“A resposta mais honesta é que não sabemos em quanto tempo vai passar essa onda do ômicron no Brasil” – Airton Stein, epidemiologista.

Ethel reforça que a ômicron não é mais leve e, assim como as outras variantes, também mata.

“Algumas pessoas vão agravar e vão morrer, mesmo com a ômicron. Estamos vendo isso no mundo todo. É claro que os vacinados estão mais protegidos, mas ela também mata. É em menor quantidade, se comparar com o tanto de gente que se infecta? Sim. Mas são mortes”.

Entre 25 a 45 dias

Se o Brasil seguir o mesmo padrão de outros países, o pico da ômicron seria entre 25 e 45 dias no país.

“Se pensar em 45 dias, atingiríamos o pico até fevereiro e a curva desceria bem rápido também. Mas temos o carnaval. Mesmo que as cidades tenham cancelado, é difícil controlar as pessoas. Elas viajam, aglomeram”, alerta Ethel.

“Não temos como prever qual será o impacto do Carnaval. Tudo vai depender do que vai acontecer em fevereiro”, completa a epidemiologista.

Ela explica que, como a ômicron é altamente transmissível (e não é mais leve), a transmissão é muito rápida. A variante delta demorava quase duas semanas para dobrar o número de casos. Já a ômicron demora cerca de quatro dias.

“Se você tinha mil casos de delta, demoraria quase duas semanas para chegar a dois mil casos. A ômicron se transmite muito rápido, aumentando 0.35 por dia. Se você tinha mil casos, em três ou quatro dias ela já dobrou”.

Outros países

Abaixo, confira a situação em países nos quais a curva já mostra que o pico da atual onda já passou:

África do Sul

Curva de casos de Covid na África do Sul — Foto: Arte/g1
Curva de casos de Covid na África do Sul — Foto: Arte/g1

Primeiro país a identificar e sequenciar a variante ômicron do coronavírus, a África do Sul registrou um pico de novas infecções ainda em dezembro de 2021. No dia 17 daquele mês, foram mais de 23,4 mil casos de Covid-19 em 24 horas.

O registro máximo de novos casos ocorre de forma abrupta desde o fim de novembro, mas passou a registrar uma queda quase tão acentuada quanto a subida durante o período de festas.

O país anunciou no dia 31 de dezembro 2021 ter superado o pico da onda causada pela variante sem notar um aumento significativo nas mortes.

Reino Unido

Curva de casos de Covid no Reino Unido — Foto: Arte/g1
Curva de casos de Covid no Reino Unido — Foto: Arte/g1

O Reino Unido foi um dos primeiros países que declarou a variante ômicron dominante dentro do seu território, substituindo rapidamente a delta. O pico de casos da Grã-Bretanha ocorreu em 5 de janeiro, quase um mês após o auge de novas infecções na África do Sul.

O país registrou uma curva bastante ascendente durante as festas de fim de ano, mas uma queda acentuada começou a ser observada ainda na segunda semana do ano.

Nesta quarta-feira (19), o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, anunciou o fim das restrições impostas para controlar o avanço da Covid-19 na Inglaterra.

A partir da próxima semana, o uso de máscaras deixará de ser obrigatório em qualquer lugar e o home office também deixará de ser incentivado. Johnson afirmou que a decisão, que vem um dia após o Reino Unido registrar recorde de mortes, tem o apoio de cientistas acreditam que a onda da ômicron atingiu seu pico.

Austrália

Curva de casos de Covid na Austrália — Foto: Arte/g1
Curva de casos de Covid na Austrália — Foto: Arte/g1

A Austrália, país apontado como um dos que apresentou melhor resposta durante toda a pandemia, com baixa incidência de casos e poucas mortes, viu as infecções dispararem a partir do fim de dezembro.

Ainda é difícil apontar um pico de casos no país, no entanto, há uma tendência de queda a partir do dia 13 de janeiro, quando o país registrou 109 mil novas infecções por Covid-19.

França

Curva de casos de Covid na França — Foto: Arte/g1
Curva de casos de Covid na França — Foto: Arte/g1

Assim como a Austrália, a França também vem registrando um rápido aumento no número de novas infecções durante o fim de 2021 e começo de 2022, no entanto, há uma aparente tendência de queda nos últimos dias, depois que o país europeu registrou, em 15 de janeiro, 297 mil casos.

Canadá

Pico da ômicron no Canadá — Foto: Arte/g1
Pico da ômicron no Canadá — Foto: Arte/g1

No Canadá, um dos primeiros países do continente americano a registrar a variante ômicron do coronavírus, houve um rápido aumento no número de novos casos ainda no final de 2021. Segundo o levantamento da OWID há dois picos bastante acentuados – 45 mil em 4/01 e 46 mil em 10/01 –, que podem ser explicados por um possível represamento de dados durante as festas de fim do ano.

por Fabio Manzano, Lara Pinheiro, Lucas Sampaio e Mariana Garcia, g1

foto: Chesnot/Getty Images

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.