Relator da ONU alerta que violência política está “destruindo a democracia” no Brasil

Um relator das Nações Unidas alertou, nesta sexta-feira (8), que a violência política está “destruindo a democracia” no Brasil e incentivou as autoridades a tomar medidas para garantir um ambiente seguro durante as eleições de outubro.

O relator especial da ONU sobre o direito à liberdade de reunião e associação pacífica, Clément Nyaletsossi Voule, compartilhou sua preocupação em uma coletiva de imprensa em São Paulo, ao término de uma visita oficial de 12 dias.

“A violência política está destruindo a democracia brasileira, impede participação, gera insegurança a falta de paz nas comunidades”, afirmou Voule, jurista togolês nomeado relator em 2018.

O Brasil elegerá o presidente em outubro e, segundo as pesquisas, a disputa será entre o presidente Jair Bolsonaro, que buscará um segundo mandato, e o ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva.

“A maior preocupação é que exista violência durante o processo eleitoral, violência que possa acontecer nesse processo e que alguns desafiem que os resultados possam não ser legítimos”, garantiu.

Sem citar Bolsonaro, que diversas vezes colocou em dúvida, sem provas, a confiabilidade da urna eletrônica no Brasil, Voule afirmou que essas “preocupações precisam estar baseadas em fatos” e alertou que “estão criando um ambiente de insegurança”.

Voule disse que o Estado deve garantir que as eleições sejam livres de “discriminação, desinformação, fake news e discursos de ódio”.

Durante a missão, Voule se reuniu com ativistas e visitou favelas e comunidades quilombolas em Salvador, Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro. Na segunda-feira, apresentará um relatório preliminar com suas conclusões.

O especialista manifestou preocupação pelo que descreveu como “um ambiente bastante polarizado”, marcado por uma “violência extrema” contra defensores dos direitos humanos, indígenas e quilombolas. Também citou abusos das forças policiais em algumas comunidades brasileiras.

Por último, Voule mencionou o assassinato da vereadora Marielle Franco, uma militante negra executada a tiros em 2018, como um caso que “precisa ser resolvido” como “única forma de garantir que um candidato negro ou negra possa participar das eleições de forma segura”.

por AFP

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.